domingo, 1 de novembro de 2015

O banco da moto não é lugar de fazer graça

Pés firmes nas pedaleiras e nos comandos servem para evitar esse tipo de coisa:

Não estranhe que logo no começo o autor do vídeo chama a atenção para o farol vermelho e todos avançam. O código de trânsito americano permite dobrar à direita com atenção no farol vermelho, muito antigamente isso também valia por aqui, briguei muito com meu pai por causa disso. Felizmente suprimiram, porque é uma armadilha mortal.

Aos 2:00 você vê como uma simples brincadeira bobinha a 170 km/h derrubou e quase matou o garoto — na hora em que precisou acionar os freios, se atrapalhou todo e comprou um terreno enorme no meio da estrada.

Encontrou o que não procurava.

Ao pegar a estrada, a alegria e o espírito de porco de rodar em bando costumam levar o pessoal a fazer gracinhas uns para os outros.

Isso é muito comum quando a galera se reúne para passeios.

Tome cuidado quando se juntar a uma turma onde você não conheça todo mundo, porque sempre aparecem um ou dois sem noção de que colocam os outros em perigo.

E mesmo conhecendo, não se descuide porque 5 segundos de bobeira podem acontecer para qualquer um, até para este que vos tecla.


Imagem: https://suckerforvampires.wordpress.com/2011/02/21/senta-que-la-vem-a-historia-17/

Durante uma viagem, início do segundo dia da jornada, nosso grupo aguardava uma brecha para entrar na movimentada BR-369 em Maringá, Paraná.

Meus companheiros conseguiram se encaixar e, em vez de acelerar tudo que podiam, começaram a rodar lentamente, esquentando os motores... 


Se esqueceram que atrás do último do grupo (eu) vinha uma fila de Scanias carregados, velozes e furibundos.

De tão lerdos que os meus amigos estavam, um deles
até brincou movimentando as pernas fazendo de conta que estava empurrando a moto. Não vou dizer quem são para eles não ficarem mal na fita. Podem ficar tranquilos. Ia pegar mal. Forte abraço, Edi e Betho!

Ele lá na frente brincando e a fila de Scanias freando bufando atrás de Jezebel (no bom sentido), quase me borrei todo tive de sair dali rapidinho. Mas já perdoei, galera! Afinal, lá se vão quatro anos! Nem lembro mais dessa história! Pelo menos, não todo dia! A terapia ajudou muito, já até consigo dormir sem pesadelos. Uma vez ou outra. Só não façam mais isso, ok? 

O piloto do primeiro vídeo teve muita sorte de sair dessa sem um arranhão. E eu também. 

Só lembrando, hoje é dia da Grande Abóbora de Todos os Santos. Aniversário de 260 anos do terremoto de Lisboa, tão forte que provocou um tsunami que matou gente no Brasil, deu no fantástico.

Amanhã, Dia de Finados, eu conto uma história de motociclistas diferente, sem final feliz.

Até lá,

Jeff

2 comentários:

  1. Pô, que sacanagem, Daniel!
    Só faltou postar a foto de todo mundo no último churrasco mês passado! ;-)
    Aliás, tá devendo as fotos. Se o Edi postou no fb, eu não vi.
    Um abraço,
    Jeff

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As fotos que eu tinha já encaminhei para você! :-P

      Excluir