quinta-feira, 23 de julho de 2015

Coisas que você não sabe sobre o limite de giros do motor

Para que serve o corte de giro do motor?

Para que serve a faixa vermelha do painel da moto? 


Aquela faixinha vermelha que aparece no final da escala do tacômetro de alguns carros e motos (com conta-giros) ou do velocímetro (motos sem conta-giros) indica o limite de rotações do motor, mas não só isso.

Imagem: Wikipedia

A indicação colorida deste conta-giros significa que você deve evitar o uso acima de 5500 rpm e não deve usar o motor acima de 6000 rpm.

A faixa vermelha é um regime de rotações que o seu motor atinge, mas que você não deve usar, a menos que sua vida dependa disso e por pouquíssimo tempo em raras situações — ou então você seja um piloto profissional, porque aí quem paga o motor é a equipe. Se o motor estourar em uma competição, o autódromo tem áreas de escape e equipes de resgate.

Nas motos mais modernas, existe uma limitação eletrônica para não entrar naquela que seria a faixa vermelha do motor, que alguns jénios tratam de eliminar para a moto andar mais. 

O que acontece quando o motor é usado por longo tempo na faixa vermelha ou cortando giros?

Você destrói o motor da sua moto com grande chance de abreviar sua estada neste mundo: 

O vídeo é longo, mas vale a pena assistir inteiro com som para entender o que levou o motor a estourar e ver o quanto esse rapaz gostava da moto dele, a ironia da intuição que ele teve de que naquele dia ele ia filmar um acidente, e o quanto essa moto andava bem... Para ir direto ao acidente, avance a fita para 13:00 minutos.



Muita gente boa pensa que o único problema da faixa vermelha é o motor perder o sincronismo entre o giro do pistão ou pistões e a abertura/fechamento das válvulas.

O motor gira tão rápido que as molas das válvulas não conseguem acompanhar o ritmo do pistão, as válvulas saem de sincronismo ou então se quebram batendo no pistão que estoura e deixa de guiar a biela dentro do cilindro.

A pancada destrói o que estiver no caminho: biela, virabrequim, cilindro e mancais do virabrequim, trincando a carcaça — em alguns casos, a biela fura a parede do motor como se fosse um pinto (epa!) saindo do ovo.

Mas o que o pessoal nem imagina é que a faixa vermelha indica uma condição de trabalho inaceitável para o motor também por outro motivo:

O calor gerado por uma sequência tão rápida de explosões não consegue ser retirado do pistão na mesma taxa em que é produzido. 

O pistão é feito de uma liga de alumínio que derrete em temperaturas superiores aos 660 graus normais para o alumínio puro. 

Mas os gases de escape podem atingir bem mais do que 660 graus. Esse escape aí embaixo está a uns 950 graus Celsius. 




Normalmente você não vê o escape de uma moto brilhar no escuro porque em movimento o vento diminui sua temperatura.


O fato é que a temperatura do pistão não pode passar dos 300 graus centígrados, porque acima disso a liga de alumínio amolece, perde a resistência mecânica.


Se esses pistões aí em cima estivessem fazendo força para mover a moto, estourariam. Aliás, mais um pouco e eles estourariam de qualquer jeito...

Mas o fundamental é entender que aquilo que resfria o pistão de alumínio e impede que ele derreta é o óleo do motor borrifado esguichado por baixo dele.




Por isso é tão importante rodar sempre com a quantidade correta de óleo — além de lubrificar para evitar o atrito entre as peças, é o óleo que retira o calor concentrado na pequena área do pistão e o resfria na enorme área das paredes da carcaça do motor. 


Se o óleo for pouco, ele nem chegou a esfriar direito e já está sendo enviado de volta ainda muito quente para o pistão. 

Ou seja, ele perde eficiência para esfriar o alumínio na hora em que o pistão mais precisa.

Pouco óleo = incapacidade de retirar todo o calor do pistão + degradação química acelerada = aumento do atrito + desgaste acelerado das peças + maior risco de derretimento do pistão + maior risco de travamento do motor. 


Mesmo com a quantidade correta de óleo, se o motor permanecer trabalhando por alguns minutos na faixa vermelha, o aquecimento do pistão será tamanho que o óleo deixará de dar conta do resfriamento. 

O pistão se dilatará mais do que o aceitável e acabará se fundindo à camisa do cilindro, ou então amolecerá e furará, ou se romperá na região do pino do pistão (conexão com a biela). 


Se der tempo de o sistema ser sensibilizado, o indicador de temperatura da sua moto teoricamente irá alertá-lo antes que o motor seja danificado — se tudo correr bem.

O medidor de temperatura monitora apenas a temperatura do líquido de arrefecimento ou do óleo em condições normais de funcionamento.

Mas na faixa vermelha tudo acontece tão rápido para o pistão que não dá tempo de os sensores acusarem o problema.   


Imagine o pistão se avermelhando lá dentro... está a um passo de estourar ou derreter, e o ponteiro da temperatura ainda está começando a se mover.

Em ambas as situações, flutuação de válvula ou pistão estourando, o resultado é o mesmo — carcaça do motor rachando, quebrando, voando pedaços, tudo isso em um segundésimo de segundo.


Num momento você está curtindo sua moto na velocidade máxima com seu motor acima do limite de giros da faixa vermelha, ou cortando giro... 




E no instante seguinte você continua na velocidade máxima, mas com o motor e roda traseira travados em zero rpm e sua moto desesperadoramente saindo de controle — você só quer salvar sua vida.



Você tem de ser muito rápido para acionar a embreagem no instante em que suas rodas traseiras travam (as duas), mas isso não resolve. 

O rombo aberto na carcaça do motor está fazendo o óleo do motor jorrar, deixando um longo rastro de óleo por dezenas de metros bem no caminho do pneu traseiro.

Sua moto começa a deslizar de um lado para outro patinando sobre sabão e só te resta rezar para não cair. 

Quase certamente você cairá, e aí é rezar para não dar de cara com um carro, ônibus, caminhão, guia, poste ou guard-rail. Graças a Deus o motor não estourou durante a primeira tentativa junto dos caminhões...

O motor dessa 750 (a Sete Galo) já devia ter uma quilometragem elevada, provavelmente sempre foi tratado com o mínimo de óleo e devia estar com o mínimo de óleo porque quase ninguém lê o manual. E mesmo quem lê faz o procedimento errado...

Motores idosos não podem ser exigidos no limite, e muito menos acima do limite. 

As motos carburadas mais antigas não possuem corte de giro, o controle tem de ser feito exclusivamente pelo piloto — não invadindo a faixa vermelha.

Caso você precise entrar na faixa vermelha por uma ultrapassagem mal calculada, faça-o pelo mínimo tempo possível e deixe o motor esfriar rodando com a moto em uma velocidade tranquila por vários 20 minutos, senão poderá acontecer o que você viu.


Não pare para o motor esfriar, que aí as peças superaquecidas vão acabar se fundindo mesmo. 

O motor precisa receber vento para ir esfriando lentamente, continuando a funcionar, com a moto em movimento, mas sem fazer força.



Isso só acontece com motos velhas?

Negativo, motores novos correm o mesmo risco.


Forçar o motor ainda na fase de amaciamento é tão perigoso quanto, porque nesse período as peças estão fazendo mais força e se aquecendo mais do que a condição normal de projeto.


Além disso, modificações sem critério podem ser fatais.


O piloto lá de cima estava estreando uma nova relação mais alongada com o objetivo de ganhar velocidade final.

É um jogo de compensações: 

Para ganhar velocidade, o motor precisa fazer mais força do que aquela para a qual foi projetado... tudo jogou contra a veterana.

Esse é o pistão furado de uma motoneta envenenada para melhorar o desempenho. 

O motor estourou quando o piloto chegou a 105 km/h.

Não é problema apenas de motos de alta cilindrada.

Uma cinquentinha original de fábrica tem a mesma chance de travar o motor que uma Titan, Factor, Yes, Kansas ou uma superesportiva — até uma custom, que normalmente não tem conta-giros, possui uma faixa vermelha pintada no velocímetro. Menos a Kansas.

Desrespeitar a faixa vermelha não compromete apenas motores cansados de motos antigas.

Motos novas correm o mesmo risco porque o limite mecânico está relacionado à resistência dos materiais e das peças da fabricação do motor.


Curiosamente, os fabricantes economizam tinta vermelha nos painéis das motos de pequena cilindrada, como se elas não estivessem sujeitas ao risco de travamento do motor.

Ah, que nada, moto nova corta o giro e o motor não estraga!


Ah, tá. 


Vai nessa que você se dá bem. 

Bem mal.

Tudo é uma questão de quanto tempo você fica exigindo o máximo do motor, e em que condições seu motor está sendo lubrificado.

Se você já sai de casa com pouco óleo no motor, iludido com o procedimento confuso da verificação do nível que é feito no manual do proprietário que te induz a rodar sempre com o nível de óleo baixo, acontece isso aqui:


Este outro piloto teve a sorte de não cair. Viu o tecão da carcaça do motor que voou longe?

O motor vazou e deixou um longo rastro de óleo por dezenas de metros até ele conseguir parar a moto com o pneu encharcado de óleo. 

A ironia é que a moto tinha acabado de retornar de um recall do fabricante onde o motor foi aberto para substituir os parafusos das bielas que por defeito de fabricação poderiam se afrouxar e estourar o motor — justamente para evitar o que aconteceu.

A moto supostamente deveria estar em perfeitas condições, mas o motor estourou 40 km depois de sair da oficina... Me pergunto se mediram o nível de óleo corretamente nessa bmw...

Se chegou a rodar 40 km, esse motor estava funcionando normalmente; alguém cometeu um erro grave — será que foi a concessionária que montou, colocou óleo no motor e testou a moto antes de entregar?

Ou será que foi o piloto saudoso que por 40 km colocou no limite de giros um motor refeito que precisaria ser amaciado suavemente até as peças se ajustarem? Tenho um palpite, mas não vou dizer.

Quer ver o motor de uma moto novinha sendo exigido ao máximo e estourando, esguichando e deixando um longo rastro de óleo por dezenas de metros?



Nem mesmo motos aquáticas (os motores são muito similares aos de motos) escapam das leis da Mecânica. 

Olha só o tamanho do estrago deste motor: 



Estourar o motor de um jet-ski é bem menos grave do que estourar o motor de uma moto.

Quando qualquer motor estoura o pessoal que sobrevive fala mal do fabricante, que o motor não presta, etc., etc.


Se há uma coisa que eles podem falar mal e com razão é quanto ao procedimento de medição do nível de óleo confuso que ninguém faz direito porque é diferente dos carros, e da prática de colocar o mínimo de óleo sem que o cliente saiba — sujeitando-os a riscos como este.


Pode apostar que a maior parte das reclamações de motor estourado que aparecem na internet se devem a isso, exigir o máximo do motor sem que ele esteja corretamente lubrificado.


Se mesmo motores dotados de corte de giro para evitar que o motor estoure continuam estourando, o culpado tem de estar em outro lugar, e esse lugar é o nível de óleo dentro da carcaça do motor.


Mas os fabricantes não estão nem aí com um problema que pode tirar vidas. 


Ou por incompetência em percebê-lo, ou porque isso não está incomodando os acionistas porque os lucros vão muito bem, arigatô.


Se você não está nem aí com a tua vida, pelo menos tome cuidado com a vida da tua moto.

Aquelas motos pobrezinhas dos vídeos provavelmente nunca mais verão uma luz no fim do túnel. Nem túnel nenhum.


Para voltar a rodar elas irão depender de um transplante de motor. A carcaça quebrada de um modelo fora de linha não tem conserto nem reposição disponível. 


Tudo lá dentro deve estar quebrado... se algum caco metálico voou nas engrenagens, moeu o câmbio, o prejuízo é total.

Se a moto rodar com menos óleo que o ideal e for exigida no limite do motor, tenha certeza de que seu motor irá fundir.

Se não for hoje, será amanhã — independente da quilometragem ou anos de uso. 

Abusar da moto é algo que o pessoal faz totalmente sem consciência dos riscos, e é por isso que eu bato tanto nessa tecla do óleo.

O pessoal não imagina o quanto forçar o motor perto do limite — e acima do limite — é perigoso, e ainda por cima na pior condição possível de lubrificação, com desgaste acelerado e superaquecimento...

Quem escapa inteiro de uma travada dessas tem muita sorte — eles nasceram de novo.

Exceto o piloto de competição, eles quase entraram para a turma das manchetes misteriosas "motociclista perde o controle da moto..."


Reportagem: http://adilsonribeiro.net/itaperuna-sabado-motociclista-perde-o-controle-da-moto-e-acaba-batendo-no-guard-rail/

Vendo esse longo rastro de óleo por dezenas de metros, você consegue imaginar uma causa possível para este acidente que matou o piloto em Itaperuna?

Tomara que tomando conhecimento desses incidentes a galera se conscientize de que moto não é brinquedo.


Moto é igual a um avião, só que com você a 1 metro do solo. 


Uma motocicleta é uma máquina à qual você confia sua vida — se você não cuidar bem dela, ela não cuidará bem de você.


Um abraço,

Jeff

24 comentários:

  1. Nossa, muito bom o texto Jeff!
    Sempre me achei caxias em relação ao óleo da minha moto, mas agora vejo que todo cuidado é pouco, várias foram as vezes que não verifiquei o nível corretamente por pura preguiça.

    Valeu pela aula!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Raul! E muito obrigado por acompanhar o blog!
      Tomara que muito mais gente fique sabendo dessas coisas para não entrar nessas situações que raramente têm um final feliz como o destes vídeos!
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
    2. Jeff graças a Deus tomei conhecimento do seu blogue hoje e te parabenizo por essas informações riquíssima a nós motoqueiros que sempre fizemos o uso incorreto do óleo. E minha pergunta vai justamente a respeito disso. Sempre usei 10W-30 (até ler esse post) e sempre 1l e nada mais. Então minha pergunta é: quando eu trocar o óleo (que será 20W-50) devo colocar mais de 1l? Uso uma moto titan 150.

      Excluir
    3. Olá, Anderson!
      Obrigado!
      Dá uma conferida na postagem
      https://minhaprimeiramoto.blogspot.com.br/2014/12/como-ver-o-nivel-do-oleo.html
      que lá eu explico essa questão em detalhes. Ou então você também pode conferir as postagens específicas sobre as Titan, há um menu de opções na barra lateral direita do blog que só é visível na tela do computador.
      Obrigado por acompanhar o blog e um abraço,
      Jeff

      Excluir
  2. Como sempre, bastante didático. "Aprendi" a pilotar e tenho moto há poucos meses e este blog vem me ajudando bastante nesta etapa tão excitante da minha vida. As aspas no aprendi se deve ao fato de você ter me convencido de que ninguém é um bom piloto sem alguns anos de experiência em cima da motoca. Abraços e muito obrigado pelos serviços prestados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Robson!
      Fico contente por estar sendo útil!
      Continue pensando assim mesmo com muitos e muitos anos de experiência, porque a gente sempre está aprendendo alguma coisa nova todos os dias!
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  3. Cara, te agradeço (e aos demais colaboradores do site) por compartilhar seus conhecimentos com a galera que anda de moto. Você(s) salva vidas com suas considerações sempre esclarecedoras e objetivas.
    Eu "piloto" moto há 5 anos e nesse tempo não sofri nenhuma queda, acredito que em parte graças a sites como o seu que fazem esse papel de informar, alertar, educar e principalmente, conscientizar sobre os riscos reais de se guiar uma moto.
    Obrigado, e já favoritei o site.

    ResponderExcluir
  4. Meu velho, teu blog é fantástico! Parabéns por esse belo trabalho de instrução e conscientização de motociclistas!

    ResponderExcluir
  5. Sem palavras para parabenizar o Blog. A clareza que você transmite as dicas é fantástica.Cara valeu mesmo!!! Sempre aprendo alguma coisa dando uma olhada aqui no seu blog.

    ResponderExcluir
  6. Obrigado! Aproveito para agradecer a todo o pessoal que tem visitado o blog, ficamos muito felizes com seus comentários!
    Agradeço em meu nome e também em nome de Vinícius e Daniel, que tanto colaboram para que o blog exista. Mesmo que não assinem postagens com frequência, estamos sempre trocando ideias que acabam eventualmente se transformando em postagens.
    Tudo de bom,
    Jeff

    ResponderExcluir
  7. Eu fiquei com uma duvida. Se posso manter a aceleração próxima do limite de giro sem causar prejuízos extremos ao motor. Como em caso de viagem.
    Ótimo blog aprendo muito aqui. Só não aprendi a calibrar os pneus, rsrs. Fui calibrar eles quentes e o bixo mucho.
    abrçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Emerson!
      É normal, quando o ar esfria ele se contrai. Quando você calibra com o pneu frio, a pressão aumenta acima daquilo que você calibrou, mas isso é previsto e normal. Ao precisar calibrar com pneu quente, para terminar a viagem coloque umas duas libras a mais, não mais do que isso, e verifique novamente no dia seguinte.
      Quanto à sua dúvida, nós começamos a estragar o motor no momento em que o ligamos, e esse desgaste se torna muito mais acentuado quanto mais alto o número de giros do motor, é o desgaste natural e não há como lidar com isso. Mas você também não pode rodar com sua moto na metade da velocidade que poderia. A velocidade de cruzeiro, aquela em que o motor permanece em boas condições de temperatura e esforço fica na casa dos 80% a 90% do começo da faixa vermelha de giros.
      Atingir eventualmente a faixa vermelha ou o limitador de giros durante uma ultrapassagem mal calculada não é algo preocupante, mas fazer isso todo dia encurtará a vida útil do seu motor. Mas esse é o tipo de preocupação de quem pretende ficar vários anos com a moto. Quem compra a moto já pensando em vender no ano seguinte muitas vezes rala a moto até não poder mais e passa o abacaxi para o próximo dono.
      O perigo é abusar demais e o motor acabar estourando.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  8. Ótimo Post Jeff!! A net está cheia de imbecis como esse aqui... Merecia uma torrada de óleo fervendo nas canelas!! Kkkkkk...
    Abçs.
    https://www.youtube.com/watch?v=WyR98c7CCAI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode apostar que é roubada...
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  9. Camarada, parabéns pela postagem. Excelente! Estou com uma dúvida! Tenho uma 150 e o painel da mesma é digital, como posso verificar a "área vermelha"? Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
  10. Camarada, parabéns pela postagem. Excelente! Estou com uma dúvida! Tenho uma 150 e o painel da mesma é digital, como posso verificar a "área vermelha"? Desde já agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Diego!
      As motos novas usam limitador, na CG antiga a faixa vermelha começava em 9500 rpm (estou falando de memória, pode estar errado) e as atuais limitam a rotação automaticamente a partir de 10.000 a 10.500 rpm.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  11. Boa noite! Jeff, olha eu novamente! Me tira outra dúvida, por gentileza. Um colega meu "envenenou" sua fan 150 vc recentemente. Queria saber se a mesma corte o risco maior, já que foi alterada para um limite além do que foi criada.

    Obs.: sei que é mudada peças, para que assim o motor não venha a ter danos e assim, corresponder a alteração feita.

    Não sei se deu para entender, mas desde já agradeço. Forte abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Diego!
      A fábrica projeta o motor para que ele dure um tempo razoável. Qualquer alteração que faça com que ele entregue mais potência terá uma contrapartida, sua durabilidade será reduzida.
      São as leis da Termodinâmica, o que se obtém por um lado é sacrificado pelo outro, não tem como escapar. Eles trocam peças, mas quem aguenta o tranco é a carcaça do motor...
      Claro que quem ganha a vida vendendo esse tipo de solução afirma o contrário, mas um aumento de cilindrada gerará explosões mais intensas, certo? Isso implicará em maiores esforços sobre os mancais de rolamentos na carcaça, e a carcaça não foi projetada para aguentar esforços tão intensos. Ela poderá aguentar no início, mas o fará por bem menos tempo do que a vida útil projetada.
      O perigo naquelas transformações de motor tipo de 150 para 225 cm3 — uma quebra de biela ou rompimento da carcaça podem travar o câmbio ou jogar óleo na roda traseira, causando um acidente grave.
      Todo motor envenenado acaba morrendo nas mãos do dono... e mais cedo do que ele gostaria.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
    2. Entendi perfeitamente, camarada. Desde já, volto a agradecer pela praticidade das respostas e também pela atenção. Olha, você tem algum canal no YouTube? Caso tenha, me fala o nome que começo a seguir lá. Abraço!

      Excluir
    3. Não tenho não, Diego... se tivesse, já teria postado vários vídeos mostrando como fazer uma troca de óleo correta em uma moto, e denunciando essas picaretagens de maneira incontestável.
      Meu celular com câmera morreu na primeira chuva e fiquei com a dívida... e depois da internação deste ano estou no modo sobrevivência.
      Se um dia eu tiver acesso a uma câmera, crio um canal no youtube.
      m abraço,
      Jeff

      Excluir
  12. Adquiri muito conhecimento aqui nesse blog sobre varios assuntos relacionados a nossas queridas motocas... Sempre recomendo seu blog quando tenho oportunidade. Parabens pelo trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Elcione!
      Fico feliz em saber disso! Grato pelo apoio e divulgação!
      Um abraço, e bons passeios com sua moto,
      Jeff

      Excluir