segunda-feira, 13 de julho de 2015

Veja como o manual do proprietário te induz a erro

Entenda porque eu critico a honda e todos os outros fabricantes de motos:

Acho absurdo os manuais de proprietário omitirem informações importantíssimas e induzirem os consumidores a um erro extremamente grave que coloca seu patrimônio e suas vidas em risco. 

Esse erro faz você rodar permanentemente com o mínimo de óleo e estragar o motor da sua moto muito antes da hora, sem que você perceba.

Em condições de uso intenso, isso pode causar o travamento do motor em plena rodovia, causando perda de controle e acidentes potencialmente fatais.



Usei o vídeo de uma moto 2 tempos que não tem cárter de óleo apenas para ilustrar como um motor pode travar e te deixar na mão no meio do trânsito. O vídeo que eu queria mostrar era outro. mas misteriosamente todas as vezes que eu o incluo na postagem ele desaparece, eis uma foto:



O endereço para ver o vídeo sem precisar embutir é este aqui: 

https://www.youtube.com/watch?v=AvPO7fRDTGw

Isso já vem acontecendo no Brasil há pelo menos duas gerações, e o pessoal está tão acostumado com isso que não percebe o quanto é absurdo um motor de moto durar apenas 40 ou 50 mil quilômetros antes de pedir retífica.

Nos anos 70, motores de automóveis bem cuidados chegavam a durar até 600 mil quilômetros rodados — as 
motos chegavam a rodar até 200 mil quilômetros antes de fazer uma retífica, o que é razoável porque giram quase 3 vezes mais rápido.

Hoje todo mundo acha normal fazer uma retífica com 60 ou 70 mil quilômetros. Não é, mas as pessoas não fazem ideia.

Veja como o manual te induz a colocar menos óleo do que o necessário — pegue por exemplo o novo manual da CG 125 e veja o que ele fala sobre a quantidade de óleo na página 59
Pense um pouquinho:

Você não acha estranho o fabricante mandar medir o nível logo depois de colocar a quantidade recomendada?

Se a quantidade recomendada é a correta e não precisa fazer mais nada, como dizem, arrotam e babam por aí, essa medição seria completamente desnecessária, não seria?

Então por que o fabricante manda medir o nível logo depois de colocar a quantidade recomendada?



Percebeu? Ligou o desconfiômetro? Se tocou?

Pois então... 


Nesse ponto ele poderia dizer simplesmente a informação essencial Ligue o motor por alguns minutos para o óleo novo preencher a bomba de óleo, filtros e galerias, então desligue e meça o nível de óleo. Complete até atingir a marca superior da vareta medidora / visor de nível.


Isso seria simples e perfeito, mas não — para complicar, ele te manda voltar para a página 57.


O que você encontra escrito lá na página 57?
Você encontra uma grande ATENÇÃO falando sobre o consumo de óleo durante a utilização da motocicleta — nada a ver com o procedimento de medição após a troca de óleo.

O importante está na segunda coluna, que fala sobre a medição com o motor frio — mas você foi orientado a aquecer o motor antes de fazer a troca do óleo, certo?

Então o procedimento não se aplica?


E aí, dona honda? 

Continue lendo para ver se em algum momento o manual fala especificamente sobre o que fazer depois de trocar o óleo:

Nenhuma informação específica para o seu caso e você volta ao ponto de partida, o início do procedimento de troca do óleo.

Em nenhum momento o manual fala CLARAMENTE que você precisa ligar e desligar o motor imediatamente depois de colocar a quantidade recomendada em uma troca para só então ver o nível correto.

Não custava nada acrescentar um item na página 59, logo depois da informação da quantidade de óleo:

8. Ligue o motor por 3 a 5 minutos e desligue.

9. Verifique o nível de óleo (pág. 57).
10. Certifique-se ...  

118,72% das pessoas não leem o manual e pensam que a medição é igual à dos carros, e os restantes 12,35% leem o manual**, mas erram a interpretação e entendem que basta colocar a quantidade recomendada.
** Pesquisa do Instituto Joker Whysoserious.

Mesmo quem lê o manual, ao não encontrar a informação explícita, conclui que é só colocar a quantidade recomendada e medir conforme o procedimento incorreto e incompleto publicado com grande destaque logo na primeira página do manual:
O espaço que o fabricante usou para escrever Consulte a página 6-6 para mais informações poderia ser usado para informar corretamente aos clientes Ligue o motor frio por 3 a 5 minutos antes da medição. Veja pág. 6-6.

Existe um consenso geral de que não se pode colocar mais óleo do que a quantidade recomendada, o que é uma verdade parcial — nunca coloque mais óleo do que a capacidade máxima do seu motor, senão ele será severamente danificado.

A coisa curiosa é que ninguém nunca te diz que a capacidade do motor de CGs, Titans e Fans é de 1,2 litro de óleo, e é de 1,2 litro justamente porque apenas 1 litro não atinge o nível superior de medição.

Manualzinho das novas honda encontrado nas concessionárias 
que eles colocam sobre o balcão e quem quiser que pegue... ou não.
Mas todo mundo sempre enfatizou que não pode colocar nem uma gota de óleo a mais do que aquele 1 litro, o que é mentira porque o manual diz para medir o nível e completar se necessário. E sempre é necessário.

Dizem que o motor esconde óleo...

Mas desafio que provem que desmontando o motor depois da drenagem ainda existam 200 ml de óleo "preso" lá dentro... e aí? 

O fato é:

Uma coisa que você não sabe e não tem obrigação de saber, e que não é informada no manual, 
é que depois de ligar e desligar o motor o nível de óleo vai abaixar bastante na vareta / visor porque ele vai encher a bomba, o filtro de tela, o filtro de cartucho ou centrífugo e as galerias de óleo... e é aí que mora o perigo. Poxa, por que não informam isso? Economia de tinta? Economia besta, só uma dúzia de palavras. 

Medindo novamente depois de ligar e desligar o motor, o seu nível de óleo vai parar lá no mínimo da vareta / visor. 

Como eu disse, o procedimento do manual do proprietário te induz a erro e faz você rodar permanentemente com o mínimo de óleo — não é só colocar 1 litro.

Tem que colocar 1 litro, ligar o motor e medir, e completar o que estiver faltando para chegar na marca de nível superior.



Tem gente que até faz o procedimento de medição corretamente, ligando e desligando o motor, mas se ilude que o óleo pode ficar em qualquer lugar na vareta por causa desta frase aqui, ó:


Você é levado a pensar que se o nível de óleo chegar a qualquer lugar na faixa da vareta já estará bom. Isso não é verdade.

Mas a informação para completar o nível até a marca superior só aparece na outra página em outro assunto...

Quando encontram a vareta quase seca, algumas pessoas pensam que fizeram o procedimento errado porque é incrível que o óleo fique tão baixo, o fabricante não ia dar uma informação errada...

Elas acabam instintivamente parafusando a vareta medidora para encontrar o óleo — apesar de o manual dizer não a rosqueie

Muita gente faz isso... o que só prolonga a agonia do motor. A conta virá mais tarde, bem mais tarde. Geralmente depois do fim da garantia.


Eu gostaria que a honda* explicasse o motivo de o manual do proprietário NÃO MANDAR LIGAR O MOTOR DEPOIS DE ABASTECER antes de conferir o nível de óleo após uma troca DE MANEIRA EXPLÍCITA.


Se essa informação estivesse clara no manual, ninguém rodaria por aí com o óleo no mínimo e os motores durariam muito mais.


Muita gente não fundiria o motor com 30 ou 40 mil quilômetros.

Eu gostaria que a honda* explicasse o motivo de o manual do proprietário dar grande destaque (primeira página) para um procedimento incompleto e incorreto, e manter tão confuso o procedimento de verificação do nível e troca do óleo.


Mas para que simplificar, né dona honda*?


Eu gostaria que a honda* explicasse o motivo de permitir que suas concessionárias não façam o procedimento completo e entreguem as motos aos clientes com apenas 1 litro de óleo.
*Honda e demais fabricantes. Cito a honda aqui por ser a autora do manual usado para explicar o procedimento confuso e incompleto, mas todos os outros fabricantes fazem coisa parecida.

Dona honda (e demais fabricantes):

Por que suas concessionárias não conferem e complementam o nível de óleo após a troca exatamente exatamente como manda o manual?


Por que elas não entregam as motos nas condições perfeitas que todos esperam receber?


Por que preciso ser eu a dizer isso aqui nesse blog para empresas que contam com departamentos de satisfação aos clientes?


Ao longo de todos esses anos, isso nunca foi percebido?

Como isso se encaixa no padrão de qualidade dos serviços da rede autorizada que é tão propagandeada, dona honda e demais fabricantes?

Note que mesmo que as concessionárias sejam repreendidas e passem a fazer a coisa certa a partir de agora, as informações divulgadas até hoje continuarão levando os proprietários de motos de segunda mão a abastecer incorretamente e tomar prejuízo.

A impressão que dá é que se você não é cliente de concessionária, eles não têm obrigação nenhuma contigo... esquecem que a marca estampada na lateral da moto é a deles.

Deus me livre pensar isso de fabricantes tão conceituados como a honda, a yamaha, a suzuki, a kawasaki, a dafra... ops, a dafra não. Não dá para conceituar uma empresa que foi alertada de problemas ainda mais graves que esse e continuou negando que o problema existisse. 

A honda e demais fabricantes certamente sabem o que fazem, e devem ter seus motivos para fazerem o que fazem — quem sou eu para falar alguma coisa, né?

Sou apenas um consumidor motociclista que comprova as coisas na prática porque é o meu patrimônio e a minha vida que estão investidos nessas máquinas.

Aí você me diz:

Mas se o fabricante falou para colocar 1 litro e eu fiz o que ele mandou, coloquei a quantidade recomendada de 1 litro, é besteira conferir, não é? 1 litro é 1 litro...

Para ficar na segurança e não no achismo, só por via das dúvidas:

Experimente fazer o procedimento de medição exatamente como está escrito no manual:


Logo de manhã cedo no dia seguinte que você trocou o óleo... ou pode ser amanhã mesmo, quanto antes melhor.

Se por acaso (não será acaso) o nível estiver baixo, você já aproveita para fazer aquilo que está escrito no manual — complete até a marca de nível superior.


Porque no manual está escrito que se o motor funcionar com pouco óleo ele será danificado. 


O que não está escrito claramente no manual é que um motor com pouco óleo pode travar ou perder a potência no meio da estrada, com grande chance de causar o seu atropelamento. 




Taí uma Kansas que rodava com 1 litro de óleo, como manda o manual.

Viu só o que aconteceu lá no alto da serra de Ubatuba a 130 km da cidade concessionária mais próxima?


Ela não era da nossa turma, nós a encontramos por acaso. 

As nossas Kansas bem lubrificadas foram até Trindade no Rio de Janeiro e voltaram à cidade de São Paulo/ABC numa boa.

Aproveito para deixar uma dica fundamental para sua segurança, esta sim é uma recomendação contrária ao que está escrito no manual do proprietário:

Não espere o nível ficar abaixo ou perto do mínimo para repor o óleo... 
nem sei como o fabricante tem a coragem de recomendar isso...

Aquela faixa que tem na vareta ou no visor de nível de óleo se chama faixa de segurança.


Rodar com o óleo no nível mínimo ou abaixo da faixa de segurança não traz nenhum benefício para o motor.  Pelo contrário, só aumenta o risco de travamento e motor fundido.


Se eu fabricasse motos, nunca que eu recomendaria para meus clientes esperarem o óleo chegar ao nível mínimo ou abaixo dele. 


Recomendaria reabastecer de óleo assim que o nível chegasse na metade da faixa de medição para não dar chance de o motor rodar com óleo baixo fora da faixa de segurança e acabar esquentando demais.

Uma vez a minha Kansas, sempre bem lubrificada, foi obrigada a ficar uns 5 minutos ao lado de um caminhão com outro atrás encostado. 

Nós não conseguíamos ultrapassar, nem sair da frente... o jeito era acelerar ao máximo porque o cara atrás vinha rebitado.

Assim que deu brecha, fomos para o acostamento — o motor estava tão quente que o câmbio travou, não dava mais para mudar as marchas.

Mais um pouco que ficássemos naquela situação, o motor da moto travava ou estourava e nós tínhamos virado notícia "motociclista perde controle e é atropelado".

Se o nosso motor quase travou com a quantidade certa de óleo, um motor com nível baixo certamente teria travado como aquela do vídeo, e o caminhão teria passado por cima da gente.

É por isso que é tão importante manter o nível de óleo sempre lá na marca de nível superior.


E é por isso que eu não perdoo os fabricantes por publicarem informações que levam tanta gente a correr risco de vida em nossas estradas.

O que serve bem ao Japão e países de primeiro mundo não atende bem às particularidades do Brasil. 

Essas empresas não têm sensibilidade para isso, se pautam por números e balanços financeiros, não no contato direto com os clientes.

Os funcionários são contratados para defender os interesses da empresa. Sua ótica apresenta um viés que não permite identificar problemas de origem interna, jogando toda a responsabilidade sobre os clientes.

A verdade é que o manual do proprietário é falho, a rede de concessionárias é falha, a supervisão da fábrica sobre as concessionárias é falha, o proprietário que não lê o manual é falho, e o proprietário que lê o manual e não o entende ou não o respeita também é falho.

E eu também sou falho porque não consigo explicar isso de maneira clara e objetiva para que todos entendam. Mas mamãe dizia que eu era ferpeito.

Da minha parte, faço o possível para alertar aqueles que estão com suas vidas e seu patrimônio em risco.

Mas o ideal seria que as empresas tomassem uma atitude e viessem a público para esclarecer de vez essa situação para que o maior número possível de pessoas ficasse sabendo da verdade verdadeira pela boca dos autores dos respectivos manuais. 


Proprietário, não vacile com o óleo e a manutenção de sua moto, sua vida depende da atenção aos pequenos detalhes — porque os fabricantes continuarão fingindo que não sabem de tudo isto, e o prejuízo material ou humano sobrará para você.

Outro dia eu volto para comentar outras coisas erradas que estão presentes nessas mesmas três páginas... é, acredite se puder, ainda há mais três informações não condizentes com a realidade dos fatos nessas três páginas...

Um abraço,

Jefferson

Um comentário:

  1. Danilo, a resposta que eu dou para todos que me fazem essa pergunta é:

    Faça exatamente o que diz o seu manual do proprietário e descubra você mesmo.

    Só posso falar com certeza dos 3 modelos que tive e tenho: CG, Kansas 150 e Fenix Gold.

    Recebo relatos de proprietários que tiveram a mesma experiência em outras motos da honda, yamaha, suzuki e kawasaki, e Speed da dafra. Estão postados no blog.

    Não tenho condições de sair testando todos os modelos à venda no mercado.

    O procedimento de medição do nível é simples e qualquer um pode fazer e descobrir a quantidade correta fazendo a medição no primeiro dia após a troca.

    Mas as pessoas se preocupam demais com a quantidade, ela não é o mais importante.

    O fundamental é medir e manter o nível correto. Não entendo porque as pessoas se preocupam tanto com o número de litros em vez de simplesmente medir conforme manda o manual e completar conforme necessário.

    Eu enfatizo aqui no blog para deixar claro que você não pode se pautar pelo número e pelas mentiras que falam sobre não poder colocar mais do que esse número.

    Você tem que se pautar pelo procedimento de medição correto, o número será uma consequência.

    Porque na hora que você precisar repor o óleo consumido, a informação da quantidade será irrelevante, não há como saber o que há dentro do motor.

    Um abraço,

    Jeff

    ResponderExcluir