quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

[Desatualizado]: O céu está caindo em nossas cabeças

Depois de todos esses dias falando de um assunto pesado, a postagem é mais leve. Literalmente.

Lembra daquele drone simpático que eu achava que ia provocar acidentes de moto?

Não vai mais, a empresa acabou e está sendo processada.

As autoridades dizem que o vídeo de apresentação teria sido uma farsa para arrecadar dinheiro.
Imagem e reportagem: http://www.bbc.com/news/technology-38595473

Aliás, essa tecnologia de drones de filmagem não está dando muito certo não.

Outra empresa que quebrou a cara, por incrível que pareça, foi a GoPro.

No final de setembro eles lançaram um drone chamado Karma que parecia que seria um sucesso, mas aí... 

O karma dos Karmas não era bom e eles começaram a morrer de morte súbita durante o voo.

E por pouco um deles não piorou ainda mais o preço das ações e o karma da GoPro.



A brincadeira mal durou 2 meses, em novembro já convocaram um total recall para recolher e aposentar os bichinhos

Simplesmente se apressaram em lançar o produto em grande escala sem fazer os devidos testes para detectar problemas que as simulações por computador não previram.

Aliás, falando em karma ruim, a samsung leva o troféu, hein? 

A шпаргалка Рождество que eles aprontaram com o Galaxy S7 é o suprassumo dessa prática do marketing pisando no pescoço dos engenheiros denunciada aqui no blog.

No desespero para fazer um celular mais fino, mais leve e mais barato de menor custo com aparência de mais caro, a samsung se esqueceu de prever o básico:

Baterias em uso se aquecem e se dilatam.

Simplesmente não previram que sem espaço para se expandir os polos da bateria iriam fechar um curto-circuito com a dilatação inevitável da bateria.

Não deu nem tempo de a postagem ir ao ar, já eliminaram o vídeo que mostrava um celular explodindo do nada... o pessoal é ligeiro.
Imagem: No lugar do vídeo amoitado do celular explodindo.

Ainda bem que o samsung Galaxy Note 7 não chegou a ser vendido por aqui.

Mas tome cuidado para não comprar uma bomba dessas em algum site de usados na internet...

Opa, corrigindo a informação:

O Galaxy S7 foi recolhido no mundo todo, mas está à venda novinho em folha aqui no Brasil sim... 

Agora descorrigindo a informação:

Quem foi recolhido foi o Galaxy NOTE 7, um modelo diferente.

Quem está à venda no Brasil é o Galaxy S7 que não teve problemas de bateria, inclusive foi lançado há mais tempo — o Note 7 nem chegou a ser lançado.
Imagens: https://www.walmart.com.br/item/3562560/sk?utm_source=google-pla&adtype=pla&utm_medium=ppc&utm_term=3562560&utm_campaign=telefonia+3562560http://www.kalunga.com.br/prod/smartphone-galaxy-s7-edge-single-chip-processador-octa-core-camera-frontal-de-5mp-android-60-memoria-interna-de-32gb-camera-de-12mp-tela-de-51-dourado-samsung/679185 — Tem até nas Casas Bahia: http://www.casasbahia.com.br/TelefoneseCelulares/Smartphones/Android/Smartphone-Samsung-Galaxy-S7-edge-Prata-com-32GB-Tela-5-5-Android-6-0-4G-Camera-12MP-e-Processador-Octa-Core-7504914.html

Não é curioso?

Está todo mundo vendendo o aparelho que não serviu para o resto do mundo, mas por aqui está servindo...

Alguém precisa explicar direitinho essa história...

Felizmente alguém explicou:

O leitor Wesker End me corrigiu (OBRIGADO!!!):

O celular problemático é o Galaxy NOTE 7. 

O Galaxy S7 não apresentou problema e é seguro, pode comprar tranquilo, sugiro pesquisar bem os preços... (Pior que eu tinha notado a semelhança dos nomes quando fiz a postagem, e esqueci e atualizei errado...)

E bem hoje no dia da postagem ir ao ar, me aparece uma novidade da apple — aquela apple, lembra?

Lançaram um monitor em parceria com a lg concorrente da samsung que não pode funcionar perto de roteadores... a interferência derruba o bicho.
Imagem e reportagem: http://meiobit.com/360020/monitor-5k-lg-aprovado-pela-apple-fica-maluco-perto-de-um-roteador-simplesmente-nao-funciona/

Como não é raro o pessoal ter um roteador instalado na área de trabalho dos micros... está feita a burrada.

Não sei se vai ter recall, por enquanto a lg está falando para o pessoal afastar os roteadores... se possível...

Mais um produto de última geração recém lançado sem os devidos cuidados de projeto, exemplo fresquinho colhido na horta hoje. 

Aliás, a empresa da maçã está se especializando em colher na horta — lembra da antena do iphone que a culpa era dos usuários que não sabiam segurar o aparelho?

O que esta postagem falando de drones, celulares, monitores e artefatos de ostentação tem a ver com um blog sobre motos?

Nada não.

Forçando um pouco a barra, até dá para dizer que foi feita intencionalmente para vir depois da postagem sobre o recall das Indian (que virou três onze postagens).

Mas esta foi escrita antes daquela(s).

Coincidentemente, ela também entra na categoria "a ganância das empresas e o abandono das práticas consagradas de Engenharia"...

Empresas lançando produtos sem os devidos testes e colocando nossas vidas em perigo e/ou dando prejuízo sensível aos nossos bolsos.

Ah, esses engenheiros da nova escola... tsc, tsc...

Você também pode considerar a parte que fala de celulares como um lembrete para não se distrair com ligações durante a pilotagem.

E a parte que fala sobre drones como um lembrete para nunca esquecer de usar o seu capacete.

Afinal, nunca se sabe quando um orgulho nacional pesando 100 kg poderá despencar dos nossos céus de anil.



Espero que os aviões montados aqui do lado em São Bernardo do Campo se saiam melhor que esse drone aeromodelo.

Por via das dúvidas, vou comprar um macacão antichama.

Não estranhe a maluquice desta postagem não...

Depois do trabalho que deu escrever a série sobre recalls, eu tive uma recaída da minha feriasite. Ou seria feriatite? Feriacite? Feriadose?


Acho que ainda não estou 100% pronto para recomeçar o ano.

O ano novo ainda não está circulando plenamente nas minhas véias.

Um abraço,

Jeff

25 comentários:

  1. Tudo bem, meu caro Jeff? Uma pergunta não relacionada à postagem mas de suma importância pra mim neste momento. Estou pra trocar as pastilhas de freio da GSR125, tem alguma recomendação de quais marcas seriam boas? Não sei qual é a original dela, ainda não desmontei. Estava quase pra comprar COBREQ, mas me lembrei de vir perguntar a você antes, se tem alguma recomendação.
    Obrigado! E tudo de bom! Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Péricles sumido!
      Bom ter notícias suas!
      Recomendo sempre usar as pastilhas originais, a menos que o desempenho original não seja satisfatório.
      Tive uma experiência com lonas da FABRECK (ou era COBREQ? Acho que era FABRECK mesmo), e não foi boa, mas foi instrutiva.
      A Kansas usa lonas e pastilhas originais FISCHER, e o funcionamento dos freios é muito bom.
      Por recomendação do mecânico, experimentei as sapatas da FABRECK que seriam mais eficientes no freio traseiro. Realmente, as lonas agarraram o tambor com muito mais vigor, o que paradoxalmente tornou o freio pésssimo, tão ruim quanto o de uma CG de qualquer ano.
      Para você comparar, com sapatas e pastilhas originais eu consigo parar a Kansas embicando a moto em cima da roda dianteira sem perder a trajetória com controle perfeito da moto. Com as lonas não originais, na primeira freada de emergência com pista molhada fomos para o chão, como eu estava acostumado com minha primeira moto.
      Mas foi uma experiência muito importante, porque aconteceu no mesmo fim de semana em que retornávamos da viagem a Trindade e flagramos aquela Kansas com o motor travado em Ubatuba.
      Meu pânico ao ir para o chão e ver o caminhão se aproximando (felizmente estava longe, mas era noite com pista molhada) foi imenso serviu de referencial para imaginar a situação daquele casal que quase caiu porque o motor travou na rodovia Osvaldo Cruz em plena volta do feriadão...
      Então não sei o resultado da troca das pastilhas. Eu usava freios COBREQ nos carros e eram muito bons, mas nunca tive oportunidade de experimentar em uma moto, então meu conselho é:
      Se não ficar bom, não espere para trocar novamente. Tentar conviver com um freio deficiente para não jogar fora um jogo de lonas novo me custou um amassado no tanque, espelho e manete quebrados, e poderia ter custado minha vida.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
    2. Muito obrigado pela sua opinião! Ando sumido apenas dos comentários, mas venho te acompanhando sempre nas postagens.
      Bom, vou resolver isso amanhã e volto depois pra comentar os resultados, mas depois do que você disse estou inclinado a pagar os $20 a mais e ficar com o par original, eu também já dependi dos freios pra escapar de situações bem críticas e a frenagem dessa moto é realmente muito boa e confiável (com o kit original).
      Abraços!

      Excluir
    3. realmente o freio traseiro das cg sao horriveis, comprei uma agr o freio dianteiro é show pq é a disco e com sistema abs, ja o traseiro a honda quis inovar e colocar o freio traseiro com uma tecnologia chamada cbs eu nao gostei a moto praticamente nao tem frio traseiro. enqaunto andava eu fiz o teste de so freiar com o frio traseiro e a moto quase nao para.

      Excluir
    4. Bom, essa também é uma reclamação comum entre os donos de Kansas, a de que o freio traseiro é fraco. Mas quem usa o freio dosando mais o dianteiro que o traseiro acha ele extremamente bem dosado justamente porque não trava a roda. Na verdade, só trava a roda quando ela está deixando o chão. Isso garante controle perfeito durante a frenagem, sem aquela rabeada tradicional de hondas e yamahas, suzukis eu não sei.
      Frear só com o freio traseiro na Kansas diminui bem a velocidade sem travar a roda, mas isso nunca é recomendável, aumenta muito o desgaste do pneu traseiro.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
    5. Eu acho os freio da gsr125 bons, dosando e combinando bem garantem uma frenagem muito eficiente e segura. Muitas vezes uso só o da frente e seguram bem, e os traseiros sozinhos não travam a roda facilmente; até hoje não tomei nenhum susto desse tipo com o freio traseiro.

      Excluir
  2. Oi Jeff.
    Nossa... que prejuízo... o aeromodelo a jato (será que era de alguma equipe do Brasil?) muito bacana... caiu igual uma banana podre... kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é... bem simbólico do momento,né?
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  3. Ainda bem que a corrida espacial foi nos anos 60...

    Quanto a "engenharia" feita hoje em dia, certa vez me deparei com uma frase que nunca mais esqueci: "NINGUÉM MENTALMENTE EQUILIBRADO DEVE FAZER O SEU TRABALHO PROFISSIONAL DE MANEIRA ERRADA, APENAS PARA AGRADAR A UM SUPERIOR DE SERVIÇO".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, McGyver!
      Infelizmente, ficou mais popular aquele outro ditado da era soviética: "Eles fingem que nos pagam e a gente finge que trabalha..."
      Pior que sobrou pra gente.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  4. Opa Jeff, só uma pequena correção. O celular "kaboom" é o Note 7, e não o S7, são produtos diferentes. Primeiro você diz S7, depois o correto Note 7, e por último coloca fotos do S7 sendo vendido, o que realmente existe pois ele não tem nenhum problema igual ao Note 7. O Note 7 realmente não existe mais nas lojas, pelo menos não em lojas regulares.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado por avisar, Wesker!
      Pisei na bola... tinha percebido isso quando fiz a postagem e acabei esquecendo, atualizei o que não precisava.
      Essa semelhança dos nomes é ruim para a samsung, mais gente vai confundir os dois e a imagem manchada do Note 7 vai acabar respingando no S7.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  5. Ah, eu não acho ruim que você e outros confundam o S7 com o Note 7, é uma falta de ideia bem grande na hora de criar nomes e numerar produtos. Consigo imaginar algumas razões para isso como associar o nome do "flagship" S7 com o Note 7, mas isso não é desculpa para a prática ridícula de celulares descartáveis que são abandonados a cada ano para vender um novo, quando o "antigo" ainda atenderia perfeitamente caso fosse atualizado.

    Acho até engraçado. Mas sejamos justos com os fatos, diversão à parte.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia. Fugindo do assunto do post. Estou com um barulho no motor da minha Falcon 2008. Surge uma bateção de latas, uns 2 minutos depois de ligá-la fria. Para depois de 15 minutos. Ao parar um tempo ao tornar a ligar volta a bateção de latas. Os mechânicos não sabem o que pode ser.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Eduardo!
      Uma coisa que faz barulho na parte baixa do lado esquerdo do motor e é meio raro de acontecer é a engrenagem louca da partida perder alguma das molas da catraca. Quando isso acontece ela gira sem guia e pode fazer esse barulho aí que nem todo mundo conhece. Não é um reparo caro e complicado, basta abrir a tampa lateral e trocar a peça, mas precisa ser feito por alguém com experiência em mecânica e ferramentas adequadas.
      Boa sorte,
      Jeff

      Excluir
    2. É chamada de engrenagem louca porque ela só engrena durante a partida, depois fica girando livre e normalmente não faz barulho.

      Excluir
    3. Obrigado Jeff, pela velocidade no retorno. Mas o barulho parece vir do lado direito superior do motor, tendo como referência o ponto de vista do piloto montado na moto.

      Excluir
    4. Oá, Eduardo!
      Barulho na parte superior do motor é alguma coisa relacionada ao desgaste do comando. Aí só abrindo mesmo para verificar. Boa sorte!
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  7. Outra coisa que acho super errado nos aparelhos eletronicos a bateria, quanto mais poderoso mais bateria eles consomem e o avanco tecnlogico das baterias nao seguiu o mesmo ritmo. Qual a solucao que eles inventaram? Foram as tais "cargas rapidas", baterias que suportam receber uma carga maior para assim conseguirem carregar uma quantidade maior de mah em um menor tempo. Resultado: mais energia somada a qualidade e protecao cada vez menor(sem contar a educacao e informacao do usuario) é igual a kaboom rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Felipe!
      Bem apontado... e também tem outro ponto importante:
      Qual a necessidade de os celulares serem mais finos e mais leves a cada ano?
      Qual o sentido de lançarem todos os anos aparelhos que consomem cada vez mais recursos, portanto carga da bateria, com baterias cada vez menores — portanto mais solicitadas e mais sujeitas a falhas?
      Ocorre o mesmo que nas motos grandes que a cada ano enfiam um motor mais potente no mesmo espaço apertado: as máquinas e aparelhos se tornam cada vez menos confiáveis.
      Infelizmente, o objetivo deles é exatamente esse:
      Fazer todo mundo se acostumar com a "necessidade" criada artificialmente de jogar fora coisas novas que já estão dando defeitos porque tudo funciona (mal) desse jeito.
      Todo mundo acostumado com coisas descartáveis será o paraíso das empresas. Viu a postagem de hoje?
      Qual a necessidade de fazer um elemento vital como a engrenagem de acionamento da bomba de óleo de plástico?
      É pra acabar! Literalmente.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
    2. Esqueci de citar que essa carga a mais lancada no carregamento é a causa dos celulares esquentarem tanto. Quando fui comprar o usb pra moto tinha cara me oferecendo a saida do carregador em 5A, sendo que a original do meu carregador era 1A.
      Sobre os aparelhos serem cada vez menores na minha visao é como se fosse uma falsa ilusao criada pela midia, quanto menor e mais fino mais tecnologico entende? É o mesmo tipo de educacao que enfiam nas pessoas leigas junto com a informacao que tudo de uma tal marca da maçã é superior e inovador que qualquer outra coisa lancada por qualquer outra empresa. Ex: a microsoft digamos "inventou" o tablet, apresentou tal todo mundo riu chamou de louco e baniu ai a super inovadora empresa foi la colocou a marca no mesmo aparelho e cabum! Todo mundo pagou um pau rs
      Fui ver só agora, a gente cita essas coisas superfulas e esquece de pensar que é geral, prefiro nem ir muito a fundo que se nao da vontade de me trancar e nunca mais sair kkkk

      Excluir
    3. Eu lembro dessa história, assisti o Bill Gates apresentando o tablet e achei uma ideia genial, não entendi porque não fez sucesso. Como também não entendi como o Jobs conseguiu fazer o tablet virar um objeto de desejo mágico... carisma? preconceito? espírito de manada?
      Nunca fui fã da ms, até hoje não sou, mas sei distinguir se um produto tem qualidades úteis ou não. Mas como vemos aqui no blog, o sentimento de "meu fabricante de celular", "minha montadora de motos", "meu time", "minha religião", "meu partido", "meu qualquercoisaismo" é uma força dominante na sociedade e ainda não compreendida pela população, mas amplamente explorada pelos exploradores do mercado.
      Um abraço,
      Jeffr

      Excluir
    4. Jeffr = Jeff –r. Jeff não tem r.
      Eu + uma vez

      Excluir