terça-feira, 1 de novembro de 2016

A mentira oficial da j. toledo suzuki sobre o óleo do motor — e as 5 perguntas que a suzuki se recusa a responder

Finalmente este blog obteve provas irrefutáveis de mais uma montadora fornecendo informações enganosas aos consumidores:

A j. toledo suzuki motos do Brasil mente metodicamente para seus clientes a respeito do procedimento de troca do óleo das motos fabricadas e comercializadas por ela.

E o melhor, as provas foram fornecidas por eles mesmos, não têm como negar a prática abusiva e lesiva aos consumidores:
Os flagrantes das mentiras são totais e definitivos, não deixam qualquer dúvida.

Afinal, são documentos oficiais emitidos e assinados por eles.
Com base nas provas apresentadas abaixo, eu acuso:

A suzuki — como a maioria das outras montadoras de motos — publica manuais com informações ambíguas que induzem os proprietários a tratar suas motos com uma quantidade de óleo menor do que a ideal.

E sua Central de Atendimento não tem pudor de contradizer as informações recomendadas por seus engenheiros nos seus próprios manuais de proprietário — fornecendo instruções incorretas por escrito sobre o procedimento de medição do nível de óleo.

E não apenas isso:

Quando questionada a respeito dessas contradições, a suzuki motos OMITE INFORMAÇÕES CRUCIAIS PARA OS PROPRIETÁRIOS em flagrante desrespeito às leis e regras básicas de respeito a seus consumidores.

E essa prática coloca a vida útil do motor da sua moto e a própria vida dos ocupantes em risco.

Essa história começa assim (e depois fica bem melhor):

Outro dia o cidadão Jaislan da Silva Pereira discordou de uma postagem aqui do blog e encaminhou um email para a j.toledo suzuki a fim de confirmar qual o procedimento correto de troca do óleo da moto dele, uma suzuki GSR 150i. Obrigado, Jaislan, serei eternamente grato!

A dúvida demonstrada por ele se resume em:

— A quantidade recomendada no manual do proprietário é definitiva e não deve receber um complemento para chegar ao nível determinado, como ele e a enorme maioria de proprietários interpretam?

— Ou é necessário completar com mais óleo até atingir a marca de nível superior "F" gravada no visor a fim de contar com toda a faixa de segurança do visor de nível de óleo — como afirmam o manual do proprietário e o autor deste blog aqui?

Não é uma questão tola.

Rodar com o óleo abaixo do nível recomendado acelera o desgaste do motor e quando muito baixo o motor pode até mesmo travar em plena rodovia, podendo causar um acidente de consequências (im)previsíveis — motociclistas têm o péssimo hábito de morrerem quando atropelados.

Ao colocar apenas a quantidade recomendada, os proprietários são enganados duas vezes:

A primeira porque a montadora recomenda uma quantidade insuficiente que parecerá correta no primeiro momento; e a segunda porque o manual induz os proprietários a realizar a medição logo após a troca, com o motor ainda quente — quando o correto é com o motor frio ligado por apenas 2 ou 3 minutos.

O manual não diz uma palavra sobre o fato de que a mesma medição feita no dia seguinte pela manhã com o motor frio dará um resultado totalmente diferente — com o nível praticamente no mínimo já pedindo complementação para chegar ao nível seguro de trabalho.

Tomo a liberdade de reproduzir a resposta oficial da j. toledo suzuki que o Jaislan publicou em um de seus vídeos porque ela será muito importante para esclarecermos de uma vez esta história:
Imagem: Resposta da suzuki divlugada no vídeo publicado pelo Jaislan aos 02:10

Não sei qual foi a pergunta nem como ela foi formulada, mas a j. toledo suzuki se limitou a enfatizar a quantidade de óleo da GSR 150i nas trocas:

"Havendo apenas troca do óleo 1.000 ml (1 litro), troca do filtro de óleo 1.100 ml."

Mas também não deixou de afirmar que:

"A quantidade deve ser seguida conforme manual do proprietário".

A j.toledo suzuki deu uma resposta ambígua resumindo o que está escrito no manual, mas sem dizer explicitamente que se deve ligar e desligar o motor, nem dizendo para colocar mais óleo para atingir a marca "F".

E também não disse que é importante fazer a medição com o motor totalmente frio pela manhã, porque logo após a troca o motor quente dilata o óleo e dá uma leitura falsa de nível alto.

Jaislan entendeu, e acredito que todo mundo que ler esse email também vai entender, que a j.toledo suzuki não autoriza colocar mais óleo do que as quantidades recomendadas, estou certo nessa interpretação?

Ora, então o manual do proprietário está errado?

Porque lá os engenheiros falam claramente que é necessário completar até atingir a marca "F".
Fonte: Manual do Proprietário de j toledo suzuki motos do Brasil da GSR 150i publicado na internet por POWERED Jaislan® Produções©

A Central de Atendimento parece dizer que essa complementação não é necessária.

Dependendo de como essa resposta oficial for interpretada, teremos duas opções:

1) Ninguém na suzuki estava mentindo:

— A pergunta poderia ter sido feita enfatizando somente a quantidade do óleo e não o detalhe fundamental do procedimento de completar até a marca "F", daí a omissão desse detalhe na resposta.

— A resposta é tão ambígua quanto o manual e "quantidade seguida conforme manual" da GSR 150i implica colocar o adicional suficiente para atingir a marca de nível F começando com "aproximadamente" 1.000 ml ou 1.100 ml.

— Um responsável por dar informações oficialmente em nome da suzuki simplesmente errou. Errar é próprio do ser rumano.

2) Alguém na suzuki obrigatoriamente estava mentindo — porque se a resposta se refere a colocar apenas a quantidade exata, só há uma alternativa válida entre estas duas:

— Ou os engenheiros que projetaram o motor e determinaram ser necessário ligar e desligar o motor e completar o óleo até atingir o nível superior do visor mentiram quando escreveram o manual... 

— Ou a Central de Atendimento que responde oficialmente pela suzuki e determina uma quantidade exata mentiu no email.

Seja qual for o motivo, a resposta da j.toledo suzuki foi suficientemente ambígua para permitir duas opções de interpretações conflitantes.

Então essa resposta oficial não é satisfatória porque nos leva de volta ao ponto de partida:

A quantidade recomendada não atinge o nível recomendado se não receber óleo adicional.

Não sei quanto a você, mas eu odeio respostas ambíguas que mais confundem do que esclarecem.

Elaborei um questionamento à suzuki que não deixasse margem para dúvidas — perguntas que uma vez respondidas não permitiriam qualquer outra interpretação que não fosse a verdade dos fatos.

Dando à suzuki a plena chance de esclarecer definitivamente a verdade, na manhã da segunda-feira 24/10/2016 eu encaminhei o seguinte email para o mesmo endereço que o Jaislan:
E as perguntas que fiz para a central de atendimento da j.toledo suzuki foram diretas e objetivas a fim de obter respostas claras e definitivas:
Por que perguntei sobre a Intruder 125 e não sobre a GSR 150i?

Porque no caso da Intruder a diferença é ainda mais significativa — sei disso porque vários leitores confirmaram — basta ler a postagem Óleo da Intruder 125 e a farsa desmascarada.

Além disso meu irmão teve uma comprada zero km, é uma moto que vi pessoalmente.

As quantidades recomendadas para a troca de óleo da Intruder 125 são de 850 ml (sem filtro) e 950 ml (com filtro), enquanto sabemos por experiência que são necessários 1.100 ml para a troca sem filtro e 1.200 ml para a troca de óleo com substituição do filtro.

Além disso, tenho outras dúvidas sobre a correção do marcador de nível de óleo da GSR 150i, então optei por uma moto encontrável em maior quantidade e portanto mais fácil de comprovar a denúncia de maneira incontestável.

Ao mesmo tempo, já aproveitaria para esclarecer essa questão de o manual da Intruder 125 recomendar o óleo 20W-50, mas a tampa do bocal de abastecimento trazer a gravação 10W-40.

Isso leva proprietários ingênuos a pensar que a viscosidade 10W-40 é aceitável e com isso acabam colaborando inocentemente para abreviar a vida útil de seu motor.

Passados dois dias sem resposta para dúvidas tão simples, encaminhei novo email para o mesmo endereço às 12:47 da quarta-feira 26/10/2016 — sei lá, o primeiro email podia ter se perdido no caminho, né?
Bom, o primeiro email nunca foi respondido, mas o bacana é que depois de aguardar mais dois dias, em 28/10 às 11:57 chegou a resposta oficial da central de atendimento da suzuki motos do Brasil para o segundo email! 

Saboreie:
Os emails que enviei disseram claramente que o procedimento conforme o manual deixa o nível baixo no visor, mas a suzuki não respondeu essa dúvida fundamental.

Ao não comentar absolutamente nada sobre a necessidade de colocar mais óleo no motor, ela aparentemente está desautorizando a colocação de mais óleo no motor.

E foi dito explicitamente para eles que 850 ml ou 950 ml eram insuficientes.

Ao recorrer ao expediente de dizer "usar a quantidade de óleo de acordo com o manual" e enfatizar a quantidade e não o procedimento, ela induz o leitor a erro.

Não diz claramente que a complementação é necessária, mas se respalda contra qualquer acusação de estar mentindo...

Mesmo assim eu a acuso de estar mentindo, porque ao invés de esclarecer o assunto quando questionada diretamente, a suzuki acabou fornecendo um procedimento de medição alternativo (incompleto e incorreto) para a medição do nível de óleo.

A suzuki respondeu apenas o que quis, e manteve oculto o que não lhes interessa revelar.

O proprietário que não tiver acesso ao manual do proprietário (caso de 99% dos compradores de motos de segunda mão) e recorrer à central de atendimento somente obterá como resposta essa carta padrão mentirosa.

A suzuki reafirma a quantidade insuficiente e diz que o nível pode ser verificado sem ligar o motor — em total desacordo com o procedimento de seu próprio manual do proprietário.

A suzuki afirmou com todas as letras um procedimento que induz o proprietário a aceitar como normal o resultado da medição que está em desacordo com o manual do proprietário.

Determinou um procedimento que irá abreviar a vida útil do motor.

Um procedimento que pode causar o travamento do motor e roda traseira da moto em alta velocidade por insuficiência de óleo, resultando na queda e atropelamento dos ocupantes da motocicleta!

Esse email permite descartar a possibilidade de aquele outro recebido pelo Jaislan ter sido um mero erro de algum atendente — o modus operandi enganoso é praticado regularmente.

A central de atendimento deveria ser a autoridade máxima sobre o assunto. 

Nunca poderia entrar em contradição sobre assuntos sérios e básicos como este.

Isso explica porque mecânicos de concessionárias e autônomos do país inteiro tratam tão mal os motores de nossas motos.

Ao repetir o mantra "não pode colocar uma gota a mais do que fala o manual" — apesar de o manual recomendar expressamente colocar mais óleo — estão apenas cumprindo determinações que vêm das próprias empresas.  

É delas que parte o erro que, curiosamente, não traz consequências danosas para eles, mas apenas para os proprietários.

Eu ainda dei uma terceira chance para a suzuki enviando este outro email às 13:18 da sexta-feira 28/10:
Para desencargo de consciência e para ter certeza de que eles estariam ignorando as perguntas deliberadamente, na noite de domingo 30/10 enviei outra vez o mesmo questionamento.

Mas agora por outro canal e não como continuação da conversa, mas diretamente via site da suzuki para testar a resposta no caso de cair em outro departamento lá dentro:
Formulário: http://www.suzukimotos.com.br/ATENDIMENTOCLIENTE/

E obtive a confirmação via email de que eles receberam o formulário, e foi feita por um departamento que se identificou de maneira diferente (Depto. Atendimento ao Cliente), mas usou o mesmo endereço de email.
Pois é, eu realmente estava falando com as únicas pessoas autorizadas a responder em nome da suzuki...

E a "resposta" à pergunta do domingo chegou na segunda-feira via o mesmo departamento da primeira "resposta":
A mesma resposta padronizada que eles entregam a milhares de proprietários.

A mesma resposta padronizada mentirosa que nada esclarece e que somente prejudica os consumidores.

E até às 18 horas desta terça-feira 1º de novembro de 2016 nenhuma outra resposta veio da suzuki, somente estas enganações.

Desde a primeira consulta na segunda-feira pela manhã foram praticamente 7 dias úteis — e as únicas respostas apenas provaram o total desrespeito da montadora suzuki aos consumidores de seus produtos.

As perguntas foram diretas e a suzuki se esquivou e não respondeu ao que foi perguntado.

Pior, omitiu informações vitais.

Pior ainda, informou conscientemente um procedimento errado.

Fazendo o que está dito nos emails, fica impossível para o proprietário descobrir a contradição entre a quantidade e o nível recomendados.

Esse email comprova que a suzuki se preocupa apenas em divulgar a quantidade insuficiente de óleo — ELA NÃO TEM INTERESSE EM ESCLARECER O PROCEDIMENTO CONTRADITÓRIO DO MANUAL DO PROPRIETÁRIO.

Tanto na resposta ao Jaislan quanto nas respostas para mim não existe uma única palavra sobre a necessidade de ligar o motor por 2 a 3 minutos — item 11 do procedimento do manual:
Nos emails não há nenhuma palavra sobre completar o nível de óleo até atingir a marca "F" — item 12 do procedimento do manual:
O manual diz claramente que O NÍVEL DEVE SER COMPLETADO ATÉ ATINGIR A MARCA "F" — o que implica automaticamente em colocar mais óleo do que 850 ml ou 950 ml na Intruder 125.

Mas perguntada explicitamente sobre isso, a suzuki ignorou.

De um total de 7 (sete) perguntas, a suzuki respondeu 2 (duas).

Por que não responde às outras 5 (cinco) perguntas, dona suzuki?

— A Central de Atendimento está afirmando que eu não preciso ligar o motor para medir o nível?

— O que vale é a marca F ou a quantidade?

— Eu posso ou não posso colocar mais óleo do que a quantidade recomendada a fim de atingir o nível recomendado?

— Qual o motivo dessa diferença entre a quantidade recomendada e o nível recomendado?

— Se a quantidade recomendada deixa o nível tão baixo no motor, por que não se diz simplesmente a quantidade correta de maneira a não causar mal entendidos, dúvidas e erros?

— POR QUE ESSAS PERGUNTAS DIRETAS NÃO SÃO RESPONDIDAS?

Quando a empresa se desvia do procedimento e orienta os proprietários erradamente, seus clientes estão sendo feitos de trouxas e são levados a rodar com o óleo já no mínimo a partir de cada troca.

Os clientes confiam que recebem seus motores bem lubrificados das revisões das concessionárias.

Eles confiam que o motor da moto estará protegido ao seguir as quantidades recomendadas pelo fabricante, sem atentar sobre a incoerência em relação ao procedimento da Engenharia.

Confiam na palavra do fabricante, e se ele diz que são 850 ml ou 950 ml, não têm motivo para duvidar — afinal, é a palavra do fabricante...

Só que mesmo quem percebe a contradição do manual e tenta tirar dúvidas é induzido a permanecer no erro.

Recebendo a moto com pouco óleo da revisão da concessionária, o proprietário não terá como descobrir o macete.

Orientado a medir o nível com um procedimento incorreto que não permite descobrir que você está sendo tapeado, você sempre completará o nível de maneira também incorreta.

O dono da moto rodará sempre com o óleo abaixo das condições determinadas pelos engenheiros que projetaram o motor.

Fazendo isso, seu motor durará metade da vida útil que poderia durar e até menos, dependendo das condições de uso da moto.

A j. toledo suzuki venderá mais peças de reposição em menos tempo, venderá mais motos em menos tempo, e o prejuízo será todo seu.

Pelo menos a suzuki foi sincera quanto à gravação 10W-40 da tampa do óleo do motor da Intruder 125:
A montadora reconhece que simplesmente não tomou o cuidado de usar tampas com gravações de viscosidade adequadas ao nosso país e ao produto fabricado por ela.
Imagem: Montagem sobre foto encontrada em http://www.intruder125.com.br/2011/07/trocar-o-oleo-de-motor-faca-voce-mesmo.html — Um tutorial para a troca de óleo da suzuki Intruder 125 em que o autor percebe a incoerência das informações fornecidas pela fabricante no manual do proprietário.

Essas tampas com a gravação 10W-40 são incoerentes com o seu produto, com o seu manual do proprietário e principalmente com o estabelecido no Código de Defesa do Consumidor.

É responsabilidade do fabricante fornecer informações confiáveis sobre seus produtos.

Ao não fazer isso, mais uma vez induziu os donos das motos ao erro de usar um óleo inadequado para nosso país.

Muitos proprietários não sabem que "a tampa informando 10W-40 segue um padrão internacional" e pensam que podem usar esse óleo...


Vão acabar destruindo seu motor mais rápido.

Isso é um desrespeito ao consumidor brasileiro e à legislação brasileira de defesa do consumidor.

Você compra uma Intruder 125 de segunda mão e não recebe o manual do proprietário, qual a informação que chegará até você?

O dado do manual que você não tem e nem carrega na moto, ou a tampa do óleo do motor gravada 10W-40 (e a informação 850 ml gravada na carcaça)?

Essa não conformidade da tampa de óleo é apenas mais uma prova de que a suzuki se omite quanto à coerência das informações prestadas a seus clientes em seus produtos, manuais e serviço de atendimento a clientes.

Você que não é dono de uma suzuki, não se iluda:

Exceto pela inconformidade da tampa do óleo, que até onde sei é exclusividade da suzuki, as outras montadoras fazem a mesma coisa de fornecer informações ambíguas nos manuais.

Essa prática lesiva não é exclusiva da suzuki — honda, yamaha, kawasaki, dafra e várias outras montadoras de motos usam a mesma tática com a finalidade de diminuir a vida útil dos motores e assim vender mais peças de reposição e acelerar a decisão dos clientes para a troca por um modelo mais novo ou mais potente.

Faça o teste em sua moto de qualquer marca e modelo, e questione essas incoerências para sua montadora.

Estou muito curioso para ver a resposta que eles darão.

A resposta da dafra eu já conheço, fraudaram o manual do proprietário para enganar o Ministério Público Federal e continuaram fraudando nos novos modelos lançados posteriormente com as mesmas consequências.

A honda continua afirmando que Titans e Fans usam somente 1 litro de óleo, mas se o dono fizer o procedimento correto do manual, descobre que precisa 1,2 litro a cada troca.

A honda diz que a CB 300 e a XRE 300 usam somente 1,5 litro de óleo, mas se o dono fizer o procedimento correto do manual, descobre que precisa 1,8 litro a cada troca.

yamaha e kawasaki fazem a mesma coisa, geralmente o erro de quantidade fica na casa dos 20% a 30% para menos.

Há várias postagens neste blog abrigadas no tema Denúncia na lateral desta página.

Ali você encontrará material sobre a honda, yamaha, suzuki, kawasaki, bmw, triumph, mvk, kasinski e dafra... 

Não acredite em mim, faça o teste na sua moto.
Procedimento de medição com base no manual da CG 150 Titan. Manuais de outras motos dizem basicamente a mesma coisa, exceto bmw, triumph, harley-davidson e indian (que eu saiba) que pedem medição totalmente a quente. Alguns fabricantes determinam rosquear a vareta medidora. Motos de cárter seco como a Falcon exigem tempos de funcionamento maiores antes da medição, mas você verifica a mesma ocorrência de nível ideal impossível de ser atingido apenas com a quantidade recomendada, exigindo complementação.

Os manuais de proprietário induzem a erros de interpretação. A postagem Como ver o nível de óleo da moto explica o assunto.

E o depoimento em vídeo de um leitor que comprovou isso na sua própria moto você encontra na postagem O vídeo da polêmica do 1 litro de óleo.

Sua vida inteira você tem sido tapeado e levado a jogar dinheiro fora pelas montadoras, colocando seu patrimônio e sua vida em perigo no meio do trânsito assassino.

Não precisa me agradecer.

O mérito é todo das montadoras.

Da mesma forma que acuso publicamente, a suzuki e as demais montadoras têm o direito de se defender publicamente.

Se por acaso alguém da j. toledo suzuki (e demais montadoras) responsável por esse assunto se dispuser a dar uma explicação técnica oficial sobre as dúvidas e acusações expostas aqui, o blog publicará seus argumentos na íntegra.

Pensem muito bem no que vão dizer e fundamentem seus argumentos com base no manual do proprietário e razões técnicas, porque não aceitarei enrolações como essas que foram respondidas ao Jaislan e a mim.

Emails enviados para jefferson.tradutor@gmail.com
jefferson.tradutor@hotmail.com serão publicados na íntegra neste blog. (A caixa de correio do gmail está indisponível no momento, se eu conseguir fazer voltar a funcionar eu informo aqui.)

Um abraço, e uma respeitosa celebração do Dia de Finados,

Jefferson Wagner Dessordi

17 comentários:

  1. Olá Jeff, não caberia uma denúncia junto aos órgaos (in)competentes? Ministério público federal, procon, sei lá. O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Takashi!
      Já denunciei a dafra ao MPF, eles se safaram com a alegação de que não faziam nada diferente do que as outras empresas faziam.
      Agora com essas novas evidências, posso argumentar que é verdade, não faziam nada diferente dos outros e o que todos fazem é no mínimo indecente.
      Se a saúde permitir, irei atrás. Se não, já dei minha contribuição para outros proprietários correrem atrás. Não posso vencer uma guerra sozinho... Só espero que desta vez o MPF dê a devida atenção a esse escândalo.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  2. Mas que bando de picaretas essas montadoras, so sabem fazer ouvido de mercador (literalmente) e só se preocupam com o lucro a custa da segurança e até mesmo da vida de seus clientes.

    ResponderExcluir
  3. Eita porra, quero ver a JTOLERDO se esquivar dessas acusações.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Patrick!
      O fato é que eles não têm como escapar, assinaram sua confissão.
      Irão continuar se esquivando porque não querem atrair atenção para um assunto incômodo como esse. A única arma dos cidadãos é deixar claro que essa conduta reprovável se tornou pública e em tempos de Lava-jato (que está perdendo o jato, tem que ir a fundo e investigar todo mundo, sem temer ninguém) não aceitamos mais ser feito de trouxas.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  4. Uau !!!!!! Essa foi pra matar eles...mas eles vão continuar fazendo isso, enquanto não receberem um processo bem pesado. Mas só dá pra fazer isso, se os proprietários quiserem. Se for como a maioria que não estão nem aí para os veículos que tem, vai ficar difícil.

    Eu vou fazer minha parte, e publicar no meu facebook pra ver se consigo acordar alguns proprietários que ainda acreditam cegamente.

    Obrigado Jeff !!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcelo!
      Só publiquei hoje porque não recebi aviso via email, seu comentário estava na caixa de moderação junto com várias outras...
      Obrigado pelo apoio!
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  5. Olá, Adriano Gehring, Julio Matheus e Alex Amaral que comentaram no facebook!
    Adriano, a resposta que eu daria foi exatamente a que foi postada pelo Julio!
    Julio, muito obrigado pela ajuda, não entro no facebook por prudência, tem gente lá que não quer me ver postando...
    Alex, fico contente de saber que você está feliz com sua Kansas e sua XY50Q!
    Forte abraço a todos,
    Jeff

    ResponderExcluir
  6. Parabens Jeff pela sua dedicacao em ajudar motociclistas como nós... a termos informaçoes corretas sobre o assunto "motos". Vi todos os seus post recentemente.. e em todos eles vc rebate os comentarios duvidosos com informaçoes comsisas que ate para mim que entendo tao pouco de motos faz sentido... infelizmente reparei que tem poucas informacoes aqui sobre a minha moto (Dafra Apache) mas como a maioria das informacoes servem para todas... estou aproveitando. Como por exemplo... o post sobre a Sete Galo... que tinha um video com o Ivan da Fenix que falou aquela asneira sobre "oleo de Gol" na CBX. Aquilo nunca fizera sentido para mim... e no seu blog eu entendi o porque.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Vyvern!
      A Apache é uma ótima moto, não fica devendo nada às marcas consagradas do mercado. Mas é comercializada por uma empresa que não está interessada em fazer a coisa certa. Aliás, como as outras. Se você quiser fotografar as páginas do manual do proprietário que falam sobre a troca, quantidades e procedimento de medição do óleo, terei prazer em fazer uma postagem sobre ela e eventualmente denunciar eventuais falhas que possam induzir o proprietário a erro. Mas os procedimentos gerais de medição e a denúncia feita nesta postagem são praticamente universais.
      Um abraço, e obrigado por acompanhar o blog,
      Jeff

      Excluir
    2. Obrigado por me responder. Concordo, minha Apache nunca me deixou na mão, porque eu cuidava bem dela, mas se dependesse só de cc estava prejudicado... e felizmente a Apache (me corrija se eu estiver errado) e a unica moto da Dafra vendida no Brasil sem o logo da Dafra (somente o da TVS), acho que isso deu sorte, (risos)
      Aqui a denuncia que vc fez do quadro da Kansas rachando, um colega de serviço passou pelo mesmo problema, e agora, o motor dele deu pt por travamento e falta de oleo, e tudo bate com o que vc falou. E eu mesmo acionei a Dafra no Reclame Aqui, por ter fechado a cc de minha cidade (Rondonópolis - MT) e me deixado sem garantia por um mes (resolveram contratando uma cc da Traxx, para dar assistencia técnica da moto)
      Eu vou tirar as fotos o mais rapido possivel e te enviar, pq em dois ou tres blogs da apache (comunidade rtr, eu e minha apache, etc) tao falando mt coisa que vc considera errada, desde o lançamento da moto, e uma pessoa com conhecimento como o seu ajudaria a elucidar esse povo. O manual tem um erro grosseiro, ele fala pra rosquear mesmo. Até fala para complementar caso baixe o nivel, mas vc acha que na cc "traxx" eles me falaram isso? Quem me falou foi uma loja da Suzuki, que troquei o óleo por um Motul 15w50 (tava paranoico pq coloquei 10w30 nela, e ela reagiu mt ruim mes passado e a busca no google sobre esse oleo me trouxe aqui). Tanto na cc antiga quanto na "traxx", nem sequer me falaram, que eu tinha que verificar o óleo (burrice minha também, sei, não olhei o manual como deveria. Mas marinheiro de primeira viagem de moto vc sabe como é, nao sabe de tudo)
      Enfim, aqui tem como enviar no proprio blog as fotos? Se tiver as envio hj mesmo.
      Um forte abraço e fique com Deus!

      Excluir
    3. Olá, Vyvern!
      Você pode enviar as fotos para o email jefferson.tradutor@gmail.com
      Hummm.... rosquear a vareta medidora? Precisa ver se é isso que manda o manual original em inglês da TVS ou se é mais uma arte da dafra como fez com a Kansas e a Horizon...
      Sobre a Kansas do seu amigo, a atitude da dafra é verdadeiramente criminosa ao não convocar o recall e em fraudar o manual do proprietário. Sobre participar em fóruns... participei tanto no fórum da dafra e tentei participar em outros fóruns como o motoscustom e o pequenas notáveis... os xiitas caíram matando e muitos funcionários de montadoras são remunerados para participar desses fóruns abafando os participantes incômodos para eles. A própria dafra eliminou muitas das minhas participações lá no fórum... por isso optei por postar somente aqui no blog.
      Aguardo as fotos, e obrigado pela colaboração!
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
    4. Verifiquei o manual em inglês da Apache, e o fabricante original realmente recomenda parafusar a vareta para a medição. Também recomenda o óleo 10W-30... aguardo suas fotos do manual nacional para elaborar a postagem.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  7. Muito obrigado pelas suas informações jeff, suas postagens sao muito uteis e informativas!
    Quanto as montadoras, é uma falta de respeito as informações que eles colocam nos manuais! Deveriam falar claramente a quantidade exata de óleo que vai no motor na troca, e não induzir o proprietário a erro, fazendo com que rode sempre com oleo na marca minima (isso quando chega a antigir essa marca), e consequentemente causando desgaste precoce nos componentes!
    E pior ainda a Honda, que além de induzir o proprietário a erro na hora da medir o nível,tem como padrão um óleo 10w30 inadequado para a temperatura do Brasil!
    Triste realidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo apoio, Vanderson!
      Essa atitude das montadoras é realmente vergonhosa e não a teríamos descoberto se não fossem os escândalos de motores estourando da dafra e agora recentemente dos motores da honda com vida útil extremamente reduzida. Não fosse por isso vir à tona, gerações de brasileiros continuariam sendo enganados por essa prática vergonhosa.
      A situação me faz lembrar aquele pessoal do filme, aprisionados na matrix sendo utilizados para sustentar seus exploradores sem ter noção nenhuma do que está ocorrendo.
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir
  8. Boa Jeff! Pau nas montadoras hahahaha
    Tomara que a saúde permita ir longe nessa briga!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Daniel!
      Tomara!
      Um abraço,
      Jeff

      Excluir